PLANTÃO / SANTANDER

Imprimir Notícia

Brasil é onde o Santander mais lucra no mundo e menos paga os bancários

31/01/2017 às 08:15
A+
A-

A companhia tem nota 3.86 em um total de 5, quando se trata da satisfação geral dos funcionários. Resultado no Brasil é o melhor do grupo espanhol em todo o mundo e representa crescimento de 10,8% em relação a 2015; mesmo assim, banco demitiu 2.770 pessoas.

O espanhol Santander é o maior banco internacional em atividade no Brasil. No entanto, para os funcionários a empresa deixa muito a desejar. De acordo com o portal Love Mondays, a companhia tem nota 3.86 em um total de 5, quando se trata da satisfação geral dos funcionários.

Lucros exorbitantes

A crise passou bem longe das operações do Santander no Brasil em 2016. O país foi responsável por 21% do lucro global do grupo espanhol, o melhor resultado em todo o mundo. No país, o banco teve lucro líquido gerencial de R$ 7,3 bilhões em 2016, um crescimento de 10,8% em relação a 2015. Apenas no quarto bimestre, a instituição faturou R$ 1,989 bi, resultado 23,8% superior ao obtido no mesmo período do ano anterior. Ainda assim, o Santander extinguiu 2.770 postos de trabalho em 12 meses no Brasil.

Mesmo com o excelente resultado de 2016, construído diariamente por seus funcionários, o Santander seguiu cortando postos de trabalho. Enquanto o banco espanhol tem no Brasil sua maior fonte de lucro, os bancários brasileiros sofrem com demissões e sobrecarga de trabalho. Se na Espanha, mesmo nos piores momentos de crise, o Santander não faz demissões injustificadas, qual a razão para que no Brasil, país que mais enriquece a instituição, essa prática seja recorrente?

O resultado óbvio desta política de gestão é o aumento da sobrecarga de trabalho e do adoecimento dos bancários. No mesmo período em que cortou 2.770 postos de trabalho e fechou oito agências, o número de clientes cresceu em 1,9 milhão.

Sofrem bancário e cliente

A redução no número de funcionários se torna ainda mais injustificável se analisada a receita do banco com tarifas cobradas dos clientes, que alcançou R$ 13,7 bi em 2016, um aumento de 15,6% no período. O valor cobre em 155,8% a despesa com pessoal, incluída a PLR (Participação nos Lucros e Resultados), um crescimento de 8,9 p.p. em relação a 2015.

Enquanto fatura cada vez mais com as tarifas cobradas dos clientes, o Santander precariza o atendimento com a redução no número de funcionários e uma política excludente, exclusiva para clientes de alto poder aquisitivo.

Deixe sua opinião sobre essa matéria:

Limite de caracteres (0 / 250)
GALERIA
Fotos | 05/10/2017

Passeata em defesa das empresas públicas

SOBRE

Sindicato dos Bancários do Maranhão - SEEB/MA
Rua do Sol, 413/417, Centro – São Luís (MA)
E-mail: comunicacao@bancariosma.org.br
Telefones: (98) 3311-3500 / 3311-3522
CNPJ: 06.299.549/0001-05
CEP: 65020-590

MENU RÁPIDO

© SEEB-MA. Sindicato dos Bancários do Maranhão. Gestão Mobilização, Unidade e Luta.